A renovação de The Miz

3395 0

São mais de 10 anos de carreira na WWE. Na metade disso The Miz já se proclamava ser AWESOME, e finalmente, podemos concordar com ele. Mas para atingir seu ótimo momento atual, The Miz oscilou entre fases e mais fases, indo de futuro promissor a nome cogitado na lista de demissões. Esse texto abordará um pouco da trajetória até o sucesso.

Sempre bem articulado na fala e com aparente domínio do trash talk, The Miz era um nome a se conhecer. Mas sua estreia no elenco principal da WWE foi bastante conturbada, ou no mínimo estranha. Desde ter seu debut cancelado a se tornar host do Smackdown comandando desafios de biquini das Divas, The Miz começou sua aventura como vilão cedo, se gabando de estar imbatível já na sua 1ª vitória. Acabou perdendo a incrível streak de 5-0 para, nada mais nada menos, que o Boogeyman.

Meses depois do jantar apetitoso acima (obrigado 2007 pela resolução ainda baixa das fotos), The Miz estreou a famosa Miz TV. Sim, a Miz TV já possui 10 anos de existência. Na sua estreia, The Miz entrevistou Ashley promovendo a sua capa na Playboy Magazine. O programa, como sempre, foi um desastre.

Primeira Ascensão

A primeira alavancada na carreira de The Miz ocorreu após seu draft para a ECW. O trio que mais chamava a atenção da ECW vocês-sabem-o-porquê, Extreme Exposè, criou uma admiração por The Miz e nasceu então o apelido “Chick Magnet”, que o acompanharia por quase toda sua passagem pela extinta brand cinza.

Foi com John Morrison que sua carreira teve a primeira decolagem, assim como os primeiros títulos. Começando a dupla como rivais, os dois levaram o cinturão de duplas da WWE para o ECW. Juntos e já amigos, Miz & Morrison eram os apresentadores do polêmico The Dirt Sheet. A dupla desempenhava um ótimo papel como vilões, enfrentando até mesmo a histórica D-Generation X de Triple H e Shawn Michaels.

O reconhecimento veio com a conquista do Slammy Award de melhor dupla de 2008, assim como o The Dirt Sheet levando o prêmio de melhor conteúdo exclusivo do WWE.com (sim, amiguinhos, na pré-história não tínhamos Network ainda, agradeçam ao Vince). Tive o privilégio de acompanhar essa dupla nos primórdios da ECW passando no FX, e posso afirmar que era uma das melhores da época. O que eles não representavam na habilidade no ringue era compensado com o carisma.

Como tudo um dia precisa acabar, a amizade e dupla foi desfeita após JoMo causar uma derrota a The Miz. Isso fez com que o Shaman of Sexy pagasse o preço. Ambos seguiriam suas carreiras em marcas diferentes, Morrison marchou do ECW para o Smackdown, enquanto The Miz foi para o RAW.

Segunda Ascensão

Como de praxe, sua primeira rivalidade solo foi com John Cena. E, como de praxe, sua primeira atitude foi falar mais que agir. Por conta de uma lesão, todas as vezes que Cena era desafiado por The Miz, o falastrão se declarava vitorioso por desistência. Até que os dois se enfrentaram, e The Miz perdeu nas duas oportunidades. Nesta última, ficou banido de comparecer ao Staples Center, ao RAW e Summerslam. É claro que ele deu um jeito de participar, mascarado, e ganhar um contrato de volta. O importante aqui foram os nascimentos de duas coisas icônicas de The Miz: o Skull Crushing Finale e esse bordão abaixo:

A partir desse momento, a carreira de The Miz apertou o botão Start para a sua segunda decolagem. Na semana seguinte já estava almejando o United States Championship, título que tentou conquistar por três consecutivos eventos (Night of Champions, Breaking Point e Hell in a Cell), mas somente o conseguiu no RAW seguinte deste último dos três, vencendo Kofi Kingston numa revanche e se tornando campeão individual pela primeira vez na carreira.

O Awesome Guy então subiu de patamar, desde liderar um time para a vitória no Survivor Series a até mesmo se tornar o primeiro lutador a segurar três títulos ao mesmo tempo (United States, World Tag Team e WWE Tag Team Championships). Um fato marcante dessa época foi ter sido o mentor de Daniel Bryan na 1ª versão do NXT, que não é nada igual ao que temos agora, e essa conexão dos dois dará mais embasamento ainda a uma situação que falaremos mais tarde.

Naquela época, ninguém ainda havia falhado em um cash-in. Então era meio óbvio que com The Miz sendo o vencedor do Money in the Bank, cedo ou tarde ele se tornaria o WWE Champion. E se tem algo em que ele é bom, esse algo é em falar por cima. Quando se possui a chance de disputar o cinturão a qualquer momento, você está na vantagem. E The Miz é muito bom em irritar as pessoas quando se está na vantagem.

Quando perdeu seu United States Championship para seu pupilo Daniel Bryan, era uma questão de tempo vermos The Miz transformar sua maleta em cinturão. E assim como seu primeiro título United States foi vencido num RAW, seu primeiro WWE Championship também foi conquistado no programa de segunda. The Miz aproveitou o cansaço de Randy Orton após defender o título contra Wade Barrett, e se sagrou o campeão principal da empresa pela primeira vez. Talvez o maior erro cometido na carreira de The Miz.

Se eu disser que The Miz venceu John Cena no evento principal da Wrestlemania 27 que contou até com uma interferência de The Rock, você facilmente pensaria que isso faria com que a carreira dele alavancasse ainda mais, certo? Pois aconteceu exatamente o contrário. Não só a luta foi mal recebida pelo público, não só a Wrestlemania 27 foi considerada uma das piores do passado recente, mas também a carreira de The Miz sofreu a primeira queda. E foi o suficiente pra sua carreira ficar anos oscilando.

The Miz: Antes promessa, agora supervalorizado

As coisas ficaram bem difíceis para The Miz. Na sequência do fim do seu reinado, teve uma rivalidade razoável com seu até então lacaio, Alex Riley. Mas aí ele começou a Awesome Truth, uma dupla com o R-Truth. Sério. E é nessas horas que a WWE sabe bem como complicar ainda mais as coisas. Não bastasse a forma ridícula em que os dois só causavam problemas, como invadir o ringue durante uma Hell in a Cell match e se trancarem lá até Triple H chamar a polícia pra tirá-los de lá. De forma bizarra, que não vale minha explicação, ainda lutaram contra John Cena e The Rock no Survivor Series. A dupla acabou “graças” a uma violação de R-Truth à política de drogas da companhia. Ou seja, com o perdão da palavra, cagaram na entrada e cagaram na saída.

The Miz passou então quatro anos indo e vindo em disputas daquele que é o cinturão com maior número de seus reinados. Seu primeiro Intercontinental Championship foi também vencido num RAW, nesse caso o RAW 1000. Nesse meio tempo, até mesmo deixou de ser vilão. Algo que foi muito criticado pela forma juvenil, sem profundidade e principalmente sem o apelo dos fãs.

Nem com Ric Flair sendo seu mentor as coisas ficaram boas para ele. A sorte de The Miz foi precisar ficar dois meses fora para gravar Busca Explosiva 4, tempo suficiente para pensarem melhor seu personagem e com uma bela desculpa hollywoodiana para alterá-lo.

No seu retorno, The Miz voltou como uma estrela do cinema. Se gabando da nova vida, insultando a plateia e sendo finalmente interrompido pelo também retorno de Chris Jericho. Era o começo de uma nova era de The Miz, que perdura até os dias de hoje. Ainda não se tinha muita firmeza de que The Miz se firmaria, mas em Hollywood sempre podemos contar com um dublê para fazer o trabalho mais difícil.

Mizdow

Uma das sacadas mais geniais da WWE para salvar um de seus lutadores, acabou servindo para salvar dois. Não conseguiam encaixar Damien Sandow em personalidade alguma, então ele passou a imitar outros personagens característicos da WWE. Sandow foi até McMahondow por uma noite. Mas o que realmente funcionou foi quando ele passou a ser a dupla-dublê de The Miz, fazendo mímica de todos os movimentos e maneirismos do Awesome One.

Era genial demais observar as lutas, até mesmo de duplas, onde Damien Mizdow repetiria exatamente tudo que The Miz fazia. No final das contas, luta livre é se entreter, e era isso que ocorria. Os dois foram até campeões de dupla em certo momento. Infelizmente, Sandow não durou muito na WWE. Mas essa dupla foi muito importante para solidificar o personagem de The Miz.

Maryse

Sem dúvidas, a maior razão para o crescimento e estabilização de The Miz na WWE. Logo após a Wrestlemania 32, Zack Ryder falhou ao defender seu recém conquistado cinturão Intercontinental. Mais uma vez The Miz vence um título no RAW. Tudo isso graças ao retorno de Maryse, que causou uma distração ao estapear o pai de Ryder.


A partir daí, o casal cada vez se exibia mais, nomeando a relação como o “It” Couple. The Miz defendeu seu título algumas vezes antes e depois de sua pausa para gravar Busca Explosiva 5. A cada semana, suas tiradas ficavam mais e mais ácidas, e já era possível perceber sua facilidade de manipular o público.

O Talking Smack é um programa que, francamente, não é todo mundo que costuma ver. Mas se você acompanha a WWE há pelo menos um ano, você ficou sabendo da edição de 23 de agosto de 2016 (se não viu, veja aqui). Esse foi o exato momento em que todos pararam pra perceber que havia algo de diferente em The Miz. Aquele falastrão disse a Daniel Bryan, olho no olho, e a todos nós de certa forma, que de covarde ele não tem nada. E foi impossível de discordar dele e de seu discurso repleto de paixão e raiva.

Um novo The Miz

Bryan e Miz continuaram sua rivalidade por um bom tempo, mesmo com a provável impossibilidade de vermos Daniel Bryan lutando novamente. Nesse meio tempo, Miz perdeu e recuperou seu Intercontinental title, chegou até mesmo a beliscar algumas oportunidades de se tornar o WWE Champion, confrontando AJ Styles, Dean Ambrose e finalmente voltando a enfrentar John Cena.

Uma dessas rivalidades ganhou notoriedade pela qualidade tanto da construção da história quanto das lutas. Tudo bem que o Dean Ambrose facilita as coisas com sua tremenda habilidade, mas é inegável que The Miz tenha jogado à altura e agregou muito valor a essa disputa. Os dois continuaram se enfrentando mesmo depois da mudança do Smackdown para o RAW, e ainda que repetitivo, raros foram os momentos em que ficou entediante. Poderíamos ter outra Ambrose vs. Miz hoje que seria totalmente aceitável.

The Miz agora possui sua própria gangue, e domina totalmente o espaço quando está com um microfone na mão. Mesmo quando não está em alguma rivalidade, ele sabe manter em alto nível com qualquer pessoa que lhe é jogada. Seja enfrentando Jeff Hardy pelo seu cinturão Intercontinental, seja se alinhando a seus capangas Curtis Axel e Bo Dallas pra enfrentar os Hardy Boyz, ou até mesmo como vimos a pouco, pra mostrar pra um Enzo Amore, que não sabe se vai ou se fica, seu devido lugar.

Diante dessa evolução e construção solidificada do seu personagem de hoje, é impossível negar e devemos reconhecer que esse The Miz que vemos hoje realmente é, sem dúvida alguma, demais.

Airton Reis

Conheci a luta livre em 2008 e isso mudou a minha vida. Surgiu a ideia do WrestleBR em 2014 quando a WWE passou a ser ao vivo por aqui. Desde então, escrevo sobre tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Mais postagens

O adeus a Jeremy Borash

Posted by - 5 de fevereiro de 2018 0
No meio de uma maré de notícias boas no Impact (retorno de Austin Aries, debut do Brian Cage, canal no…