Você já ouviu falar do infame Voo do Inferno?

382 0
Desenho do infame Voo do Inferno

Dark Side of the Ring da Vice TV retorna para continuar sua terceira temporada nesta quinta-feira, falando sobre o Plane Ride from Hell, na tradução livre, Voo do Inferno.

A sinopse oficial do episódio:

“Um voo privado de um 757 tornou-se um pesadelo quando lutadores embriagados entraram em confronto com sua tripulação de voo, explodindo em um dos escândalos mais infames da luta livre.”

Jim Ross, Rob Van Dam, Justin Credible e Tommy Dreamer estão entre os entrevistados. Um dos comissários de bordo também está na lista de entrevistados.

Mas para quem não sabe, em 5 de maio de 2002, vários lutadores da WWE e membros executivos voaram da Grã-Bretanha para os Estados Unidos após o fim de uma turnê europeia.

O atraso de sete horas na decolagem

No agora infame Voo do Inferno, houve uma série de incidentes envolvendo a gestão da WWE e lutadores que mais tarde foram atribuídos ao excesso de bebida no voo. Mas muito disso se deu porque o voo atrasou sete horas antes da decolagem.

Entre os incidentes, um deles incluiu o falecido Curt Hennig incitando Brock Lesnar para uma luta de wrestling no meio do voo depois de tirar sarro dele sobre quem era o melhor lutador amador. Hennig e Lesnar lutaram no corredor do avião com Lesnar derrubando Hennig e Hennig sendo incapaz de retribuir o favor. E então, vários outros no voo, incluindo Dave Finley, Triple H e Paul Heyman tiveram que separar a dupla. A WWE dispensou Curt Hennig da empresa logo em seguida, enquanto que Lesnar não teve punição na época, pois consideraram Hennig o culpado do incidente.

Brigas, assédio e bebidas

A luta foi inofensiva em comparação com algumas das outras travessuras do voo. Dustin Runnels estava supostamente fazendo uma serenata para sua ex-esposa Terri Runnels até ser instruído a parar pelo vice-presidente de Relações de Talentos da WWE, Jim Ross. Isso não ficou barato, pois Dustin Runnels ficou queimado na empresa por um longo tempo e teve sua dispensa pela WWE no final de 2003 com uma declaração no WWE.com na época anunciando que seu contrato não teria renovação quando expirasse em janeiro de 2004.

Um pouco depois, o então agente de turnês Michael Hayes se envolveu em um incidente físico com Bradshaw depois de beber muito, supostamente dando um soco nele. As ações de Hayes levaram a alguém (mais tarde declarado ser Sean Waltman) a cortar os mullets de Hayes enquanto ele dormia. O consenso na época era que Hayes “merecia” por causa do início da confusão com Bradshaw.

Nota publicada no WWE.com

Jim Ross, no extinto Ross Report no WWE.com, afirmou o seguinte sobre o voo em sua primeira coluna após a turnê:

“O voo durou cerca de sete horas e teve diversos momentos péssimos graças a um bando de pessoas que consumiram muito álcool e, por isso, agiram como crianças cujos pais estavam fora e deixaram o armário de bebidas destrancado. A conduta desta minoria embriagada foi inaceitável e não será tolerada. Foram instituídos procedimentos para garantir que tal conduta não ocorra no futuro. Mas o resultado final é este: sinceramente, eu sou a pessoa responsável pela lista de talentos e a responsabilidade fica comigo. Faremos tudo o que pudermos de forma humana para resolver o problema.”

Jim Ross

Na mesma coluna, Ross observou que Scott Hall (que disse ter dormido durante o voo do inferno) não estava envolvido em nenhum incidente. No entanto, Hall logo deixou a WWE, já que a WWE anunciou sua demissão alguns dias após a turnê pelo Reino Unido.

Uma ação foi movida contra a empresa e Ric Flair, por vários dos comissários de bordo que estavam trabalhando no voo, mas foi rapidamente resolvida.

Airton Reis

Conheci a luta livre em 2008 e isso mudou a minha vida. Surgiu a ideia do WrestleBR em 2014 quando a WWE passou a ser ao vivo por aqui. Desde então, escrevo sobre tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Mais postagens