O Retorno de um Pesadelo

226 0
Cody Rhodes na sua entrada na WrestleMania

O pesadelo é real.

Unanimidade é inexistente, uma falácia do microcosmos que nunca poderá ser transposta para um público maior, uma turba. Entretanto, você pode ter ao menos coerência dentro do seu pensamento individual.

Isso faltou a este site no dia 2 de abril de 22, Wrestlemania 38, noite um. Cody Rhodes retorna à empresa que o criou, mastigou e cuspiu. Volta depois de ter se tornado o prospecto de uma promessa na qual ninguém acreditou.

A Jornada

Ele se fez realidade em lugares como PWG, WCPW, Impact e, principalmente, ROH/NJPW. Foi ali que floresceu o pesadelo americano e foi também ali que percebi o quanto o lutador que me prometeu talento ao sair da WWE não iria me entregar nada.

As suas passagens em todas essas empresas não me agradaram e a persona do “pesadelo americano” se tornava cada vez mais brega e sem noção conforme o tempo passava.

Cody então tomou o posto de produtor e deu “All In”. Ali começava a chamada revolução, o início do que veio a ser a AEW, também muito criticada por nós.

Ele foi duas vezes campeão da TNT – inclusive ganhando o título inaugural – e protagonizou feuds contra Young Bucks, MJF, Shaquille O’Neal e outros.

Tudo bem medido e bem marcado, agradava – até certa medida – os fãs do produto que a All Elite queria entregar. E então não agradava mais.

A Virada

Em sua feud com Malakai Black – encaixada no outros ali de cima – o público finalmente parecia ter se cansado do que era intragável desde o começo: a personalidade over ao estilo coringa do Jared Leto, o moveset limitado, o ritmo sonolento.

Percebeu-se que Cody era um wrestler fora de época e que sua vitória pelo NWA Title – sua tentativa de comprar seu reinado como campeão mundial – não foi nada mais que um atestado de sua linguagem fora de moda.

Foi quando ele entregou essa promo:

Nesse ponto especulava-se o início do fim, o ponto onde, ironicamente, as estradas se cruzam, dividindo os caminhos de empresas e carreiras.

Cody perde seu TNT Title em um excelente combate – isso eu tenho que admitir – e some, vai embora. Estava tudo escrito, mesmo que existisse a dúvida.

Entretanto, onde plantou-se dúvida começou a germinar uma hipocrisia. Nada resume mais isso do que a frase de Corey Graves:

“From undesirable to undeniable”

Foto: WWE.com

Pessoas que vociferavam contra a All Elite e a postura de Cody passaram a acompanhar o Raw religiosamente para ver sua aparição.

Este mesmo site que tanto falou do seu hiato de bom senso e autocrítica passou a cobrir e noticiar o que poderia ser o retorno do famigerado filho pródigo.

A Volta do Pesadelo

Foi quando, frente a Seth Rollins, garoto propaganda e autoeleito protetor de Vince McMahon e sua empresa, Cody Rhodes, a face de uma revolução antimonopólio, retornou com sua própria música, personagem, nome, roupa.

O Cody que voltou é o Cody que eu aprendi a odiar pouco a pouco. É o lutador que entregou dois combates medíocres no Tokyo Dome, que impregnava o Impact com uma energia que fazia o resto do show parecer um alívio.

O que transpareceu sábado foi o pesadelo de qualquer pessoa de boa-fé: a hipocrisia frente a um êxtase momentâneo.

De medíocre ele foi a salvador, de tosco ele passou a ser sofisticado, de antiquado transmutou-se em clássico e sua luta com Seth Rollins, algo que na AEW estaríamos chamando de sem pé nem cabeça, se torna clássico na boca de muitos.

Foto: WWE

Mas não se engane. A sua volta à WWE é prova de sua mediocridade e como ela se encaixa à empresa que o neto de encanador tanto criticou e satirizou.

Uma carta assinada quanto a opinião volátil e o favoritismo que temos quanto a uma ou outra empresa, a maleabilidade da narrativa. Essa carta é assinada por nós, não por Cody.

Ele fez o que foi melhor para sua carreira e não há o que criticar nisso, nunca houve de um ponto de vista de negócios. Contudo, analisar o retorno só por fogos e tamanho de estádio é infantil, no mínimo.

Cabe a análise do significado para o todo e não só para ele. O que ao homem significa uma volta por cima, um retorno de glória de onde antes havia vergonha, para o público e para seus fãs é possível que exista o verdadeiro pesadelo.

E para os detratores também. O que antes era indesejado, é agora inegável: a hipocrisia.

O Mosca

A vida é uma caixinha de surpresas, uma caixa de bombons e um CD do roupa nova, tudo embalado num saco de lixo que fica guardado embaixo da sua cama enquanto ela é ocupada pelo leiteiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Mais postagens

A vez delas – 2016

Posted by - 17 de outubro de 2017 0
A revolução das mulheres. Demorou, mas finalmente foi dada a atenção que elas mereciam desde o primeiro dia no mundo…