Reuniões secretas, negociações e picolé: os bastidores do retorno de CM Punk

216 0
CM Punk em seu retorno na AEW

Marc Raimondi, ESPN — CM Punk chegou ao United Center em Chicago por volta das 16h30, horário local em 20 de agosto, cerca de 4 horas e meia antes do horário programado para seu retorno à luta livre profissional, depois de mais de sete anos afastado, no AEW Rampage da All Elite Wrestling.

O ex-campeão da WWE e lutador do UFC estava nervoso e ansioso quando entrou em sua cidade natal. Ele não dormia há duas noites. Punk tentou se acalmar assistindo algumas das lutas sendo gravadas para outros programas da AEW antes da transmissão ao vivo do Rampage, mas ele não conseguia ficar parado ou se concentrar. Ele estava com fome, mas não conseguia se forçar a comer muito.

Punk começou a questionar algumas coisas. Ele olhou para seus tênis preto e branco e se perguntou se aqueles eram os certos para usar. Ele olhou no espelho do banheiro para ver se seu cabelo escuro penteado para trás parecia OK. Punk continuou a andar pelos bastidores, tentando encontrar conforto em um pequeno grupo de pessoas que trouxe consigo, incluindo Nora Flanagan, que ele conhecia desde os 14 anos, e Lou D’Angeli, um ex-lutador que já foi conhecido como Sign Guy Dudley na ECW.

Faltando cerca de 15 minutos para a hora do show, Punk e seus amigos se mudaram para trás da cortina. Punk, um grande fã de hóquei, deu um sorriso rápido. Afinal, este era um local familiar para ele dentro do United Center.

“É aqui que sempre fico quando faço o ‘Shoot the Puck’ para os Blackhawks“, disse Punk a D’Angeli. “Estou sempre nervoso quando faço aquilo, então faz todo o sentido que esteja nervoso aqui de novo.”

O retorno de CM Punk no AEW Rampage

Finalmente, a música de introdução de AEW Rampage tocou na arena, marcando o início da transmissão. E quando parou de tocar, os gritos por “CM Punk” começaram, embora a multidão esgotada ainda não soubesse com certeza se ele estaria lá.

E então a música de entrada de Punk, “Cult of Personality”, do Living Color, explodiu no sistema de alto-falantes do United Center – levando a multidão ao frenesi, com um nível de decibéis subindo que só cresceu mais à medida que Punk caminhava pelo túnel e apareceu para o público.

CM Punk, um dos lutadores mais amados da era moderna, fez seu retorno oficial ao pro wrestling pela primeira vez desde que ele deixou a WWE em 2014 sob as circunstâncias mais amargas. No domingo, ele vai fazer sua primeira luta de volta, contra Darby Allin – um lutador que Punk disse que seria seu favorito se ele fosse um adolescente agora – no All Out, perto de sua cidade natal, Chicago.

A história do retorno de Punk é muito mais profunda do que isso. Arenas com ingressos esgotados, vendas recordes de camisetas e picolés de 500 dólares pelo caminho, mas no fundo, é sobre um homem que finalmente voltou para casa.

“É um lugar único na vida”, disse Punk sobre seu retorno. “Eu nunca vou ter a chance de fazer algo assim de novo. Eu não sei se haverá outra chance para alguém fazer algo assim de novo. É a tempestade perfeita.”

Foto: AEW / Divulgação

As primeiras conversas

Tony Khan se lembra da primeira vez que se sentou para uma reunião com Punk. Era o dia seguinte ao Natal de 2018. Khan, também natural de Chicago, estava em casa para as férias. Ele estava a uma semana de anunciar que a AEW, sua empresa de luta livre, seria lançada em 2019 com Khan como presidente e CEO. Khan é o filho do dono do Jacksonville Jaguars e do Fulham FC, Shad Khan, e serviu como executivo em ambas as franquias de esportes profissionais.

Punk, um ex-superastro da WWE que deixou a empresa e a indústria como um todo em 2014, estava no topo da lista de aquisições de Khan. Os dois conversaram por mais de uma hora.

“Ele é uma das maiores estrelas do wrestling e era um agente livre”, disse Khan.

Punk, entretanto, era “pessimista”, disse Khan. As coisas entre ele e a WWE terminaram mal. Punk ficou doente e machucado nos últimos meses, e ele saiu em janeiro de 2014 na noite depois de competir em sua última luta na WWE no Royal Rumble. Ele foi oficialmente demitido no dia do seu casamento em junho.

E então o médico da WWE, Christopher Amann, acabou processando Punk por difamação após comentários que Punk fez sobre seu tratamento médico com a WWE em um podcast – um processo que Punk acabou vencendo, após um longo e demorado processo.

A luta livre era apenas passado durante seu tempo no UFC

Depois de deixar a WWE, Punk parecia querer deixar o negócio do wrestling para trás. Ele começou a treinar em tempo integral no MMA, assinou contrato com o UFC em dezembro de 2014 e competiu duas vezes por aquela organização, em 2016 e 2018. Mas nas entrevistas, Punk era bastante negativo sobre a luta livre.

“Ele ficou desconcertado com muitas coisas que aconteceram depois do fato, mas pelas razões óbvias”, disse D’Angeli. “Ele precisava dar um passo para longe. Eu não estava totalmente convencido de que ele voltaria. Mas eu também nunca perguntei a ele.”

Punk, cujo nome verdadeiro é Phil Brooks, disse que nunca odiou o wrestling profissional. Um caminho que começou como um apaixonado lutador de quintal em 1999. Ele teve muito sucesso na cena do wrestling independente, incluindo o Ring of Honor, e então assinou com a WWE em 2005. Ele descreve seus sentimentos pela indústria como “amor e ódio”.

Mesmo antes de deixar oficialmente a WWE, a forma como ele acreditava que o talento era tratado, e como eles se tratavam, começou a azedar a paixão de longa data de Punk pelo wrestling.

“Honestamente, não existe isso de família”

Punk disse, usando um termo de luta livre para os lutadores ou talento. “Se existisse algo como ‘família’, haveria uma porra de união ou sindicato. E muitas vezes você vê pessoas sendo tratadas tão injustamente e há um vestiário inteiro cheio de pessoas que seriam – se fossem com eles – seria como, ‘Ei pessoal, me ajudem.’ E eu era uma dessas pessoas.

“O negócio sempre será o negócio. É construído do jeito que está. Eu sempre direi aos lutadores independentes, vocês têm que se proteger. Você não pode esperar que outras pessoas venham em seu te ajudar. Eu descobri da maneira mais difícil. Há outras pessoas que ainda estão lidando com isso. Você pode ser leal a uma empresa que não iria mijar nas suas cinzas se você se queimasse vivo ou você pode apenas ter certeza no final do dia que você está feliz e você é saudável. “

Embora sua forte oposição a um retorno do wrestling tenha amenizado um pouco ao longo dos anos, ficou claro para Khan após a reunião de 26 de dezembro que CM Punk não estava pronto para seu retorno.

“Ele queria ver como tudo aconteceria”, disse Khan.

Os sinais do retorno de CM Punk começavam a aparecer

Não havia sirenes sinalizando o desejo de Punk de voltar ao wrestling, mas aos poucos foram surgindo pequenos sinais em cantos invisíveis. No início de 2019, Dana Salls Cree recebeu uma mensagem direta na sua empresa Pretty Cool Ice Cream, de uma conta verificada no Instagram. Salls Cree havia fundado a empresa artesanal de sorveterias em Chicago alguns meses antes.

Punk tinha ouvido falar de sua loja por um amigo em comum, e lá estava ele em suas DMs.

Punk perguntou a Salls Cree se a Pretty Cool poderia fazer 20.000 barras de sorvete. Era o maior pedido que a loja já recebeu, mas ela disse que era possível.

“A conversa com ele foi muito simples”, disse Salls Cree à ESPN. “Ele parecia um cara legal. Mas eu perguntei, ‘Você tem um evento?’ Ele apenas disse: ‘Eu diria que tenho um evento.’ Eu disse, ‘Legal, onde você os quer?’ Eu não me intrometi. Achei que se houvesse mais informações por vir, elas viriam quando precisasse.”

Mas nada estava decidido até então

Na época, Punk ainda não tinha decidido que voltaria a lutar pela AEW, embora ele estivesse começando a considerar isso, sem o conhecimento da maioria. AEW ainda não existia, oficialmente, já que seu primeiro evento não aconteceria até maio de 2019.

Mas Punk disse por anos que queria ver o retorno dos antigos picolés da WWF, que foram descontinuados em 2009 depois de mais de duas décadas, incluindo um pedido infame no ar para a WWE enquanto ele estava no ringue com o próprio Vince McMahon . Ele também se inspirou no comediante Andy Kaufman, que certa vez levou uma multidão do Carnegie Hall para comprar leite e biscoitos.

“Era tudo parte do plano, e eu estava apenas começando a fazer uma fila”, disse Punk. “Eu só acho que sabia que isso era algo que iria acontecer. Para que fosse perfeito, esse era um componente principal – aqueles malditos picolés.”

Surge a AEW no cenário da luta livre

O primeiro evento pay-per-view da AEW, Double or Nothing em Las Vegas no Memorial Day Weekend 2019, veio e se foi. Sem Punk. O burburinho sobre um retorno aumentou novamente no final do verão americano. A AEW estaria realizando seu segundo PPV em Chicago no fim de semana do Dia do Trabalho. Punk era questionado sobre isso com frequência, e Khan disse que isso colocava um pouco de pressão nas possibilidades. A mídia, disse Khan, “não nos fez nenhum favor”.

“Os fãs realmente tinham uma expectativa”, disse Khan. “Não foi culpa de ninguém. Não é como se estivéssemos tentando dar às pessoas a percepção de que ele estava chegando e não era como se ele estivesse tentando dar a percepção de que estava chegando. Mas as pessoas realmente queriam que acontecesse, porque é algo com que as pessoas realmente se preocupam. “

CM Punk fez seu retorno ao wrestling profissional em 2019, mais ou menos. Em novembro de 2019, Punk assinou com a Fox Sports como parte do elenco de seu show WWE Backstage no FS1. Punk deixou claro que estava trabalhando para a Fox e não para a WWE. Mas a Fox era a parceira de transmissão da WWE para o Smackdown, e isso naturalmente levou a mais especulações de um retorno.

CM Punk frente a frente com Darby Allin, seu oponente no domingo onde CM Punk fará a primeira luta desde janeiro de 2014. Foto: AEW

Tony Khan não se intimidou

“Na verdade, não fiquei desanimado”, disse ele. “Se ele fosse voltar lá, ele teria voltado. Ele não voltou. Eu estava um pouco encorajado. O fato de ele nunca ter voltado para lutar lá me fez acreditar que isso ainda era definitivamente possível. Foi definitivamente um dos meus sonhos e aspirações. “

Tendo uma boa experiência com os Backstage e curtindo o trabalho ao lado da apresentadora Renee Paquette, os produtores do show voltaram a tentar o retorno de CM Punk para o wrestling. No início daquele outono, Punk havia resolvido todas as suas situações jurídicas. Em 2018, Punk venceu o processo contra Amann e, em setembro de 2019, ele e o ex-amigo Colt Cabana resolveram ações judiciais que decorriam do processo de Amann, depois que Punk apareceu no podcast de Cabana.

“Isso exige muito de você”, disse Punk. “Acho que nunca voltaria entrincheirado em processos e outros problemas. Acho que uma vez que fiquei livre e limpo, acho que é quando você pode começar a se curar de tudo isso. Honestamente, é o que eventualmente aconteceu. “

Durante a pandemia as coisas se esquentaram

O WWE Backstage foi cancelado em junho de 2020 devido, em parte, à pandemia COVID-19. Na primavera americana de 2020, Khan e Punk começaram a conversar mais e se aproximaram. Khan não tinha intenção de contratar Punk e trazê-lo de volta sem fãs presentes, então isso permitiu o que ele descreveu como uma “amizade de baixa pressão”.

“Todo mundo está mais em casa”, disse Khan. “As pessoas estão se reconectando com pessoas com quem não falavam muito e se conectando com amigos. Conversei muito com ele. Ele estava assistindo aos programas e gostando deles. Ele gostava muito dos jovens lutadores que estavam se tornando estrelas do AEW Dynamite. “

Punk disse que não tinha certeza se teria retornado antes se não fosse pela pandemia. Ele brincou na coletiva de imprensa virtual após seu retorno, dizendo que a AEW precisava servir bebidas e jantares para ele.

CM Punk lutou duas vezes no UFC, incluindo essa luta em junho de 2018 contra Mike Jackson. Foto: Andrew Hancock / ESPN

Um retorno nos seus próprios termos

“Sou eu, e vou no meu próprio ritmo e estou no meu próprio sonho”, disse Punk à ESPN. “Funcionou. Estou bem protegido e bastante reservado. Então, eu estava meio que de olho nisso e queria ver como ia acabar.”

Uma das coisas que mais impressionou Punk na AEW foi como a empresa e os lutadores lidaram com a morte de um de seus lutadores, Brodie Lee, em dezembro passado. Ninguém no vestiário da AEW divulgou que Lee estava doente com um problema pulmonar não relacionado ao COVID – e Khan nem mesmo disse a Punk, embora naquela época eles estivessem conversando com frequência.

Punk disse esta semana no SportsNation da ESPN que ele estava “pasmo” porque o vestiário foi leal o suficiente para não vazar a notícia de seu retorno. Isso deu a ele a esperança de que talvez AEW fosse diferente de suas experiências anteriores.

Em dezembro de 2020, Punk finalmente saiu do pool de testes de drogas da USADA do UFC, deixando-o essencialmente aposentado do MMA. Entretanto, Punk disse que a WWE também o tinha consultado sobre um regresso, através de intermediários. Punk disse que ouviu as propostas, mas elas nunca realmente decolaram.

“Lembro-me de que uma das primeiras coisas que disse a eles foi: ‘Acima de tudo, não tente joguinhos'”, disse Punk. “E eles tentaram. Algumas coisas nunca mudam… Quando você entra em uma conversa com pessoas com quem você tem um passado e sabe quem são, até que ponto você pode levar isso a sério? Masu sei exatamente quem são e elas simplesmente continuam a mostrar isso. Estou tentando ser o mais diplomático que posso.”

Enfim, as negociações

Em 12 de fevereiro, Punk respondeu a uma pergunta de um fã no Twitter sobre com quais lutadores da AEW ele mais gostaria de trabalhar se voltasse. Punk listou cinco jovens estrelas AEW, incluindo Allin. Khan mandou uma mensagem para ele, dizendo que gostou de sua lista.

Dentro de algumas semanas, Punk e Khan estavam falando sobre valores e como ele estrearia na AEW.

“Uma vez que ele quis voltar, não havia nenhuma barreira entre nós”, disse Khan. “Ele estava procurando ser bem recompensado, mas eu gostaria de compensar CM Punk. Não foi tão difícil descobrir. Ele querer lutar pela AEW foi a maior coisa que estabelecemos. Uma vez que estabelecemos isso, nós todos queríamos as mesmas coisas. “

Enquanto essas conversas estavam acontecendo, o AEW Dynamite obteve grande audiência nas noites de quarta-feira e se tornou o programa número 1 na TV a cabo várias vezes. Em janeiro de 2020, a AEW já havia se mostrado uma empresa viável e então assinaram uma extensão com a TNT que se estende até 2023.

CM Punk trocou seus primeiros golpes na AEW quarta-feira, antes de sua luta de estreia no All Out domingo. Foto: AEW

Pagando bem, que mal tem?

Punk disse em uma entrevista no ano passado que precisaria de uma história divertida para contar e “a mais estúpida quantia de dinheiro” para voltar. Punk disse que está feliz com seu contrato AEW, acrescentando que LeBron James adora basquete, mas “ele não vai aparecer a menos que você pague aquele filho da mãe, certo?” Ele deu a entender que se voltasse a lutar apenas pelo dinheiro, seria com a WWE.

“O que quero dizer é que não se trata apenas de dinheiro para mim”, disse Punk. “Porque se fosse, eu provavelmente teria sido o evento principal da WrestleMania no ano passado. Ou eu teria estado no Royal Rumble. Todo mundo é diferente. Cada situação é diferente. Há algumas pessoas que não gostam de mim, e então tudo o que eles vão ouvir é ‘Oh, ele só está fazendo isso pelo dinheiro’. E eu não poderia me importar menos.

“A prova está no pudim. Importa se estou fazendo isso? Você realmente se importa? Se você não gosta de mim, não olhe. É uma tempestade perfeita. É muito de tudo. O dinheiro, a liberdade. É a criatividade e é a possibilidade de trabalhar com gente jovem e talentosa que me entusiasma.”

Tudo indicava o All Out

Khan tinha o All Out marcado para o retorno de CM Punk. Mas na primavera, Punk trouxe a ideia do United Center. Khan olhou para isso em maio ou junho e viu que o local estava disponível em 20 de agosto, então a AEW cravou essa data.

O site de luta livre Fightful.com relatou em 21 de julho que CM Punk estava em discussões para um retorno ao wrestling com a AEW. Sete dias depois, a AEW anunciou que o United Center em 20 de agosto seria o local para o segundo episódio de seu segundo programa a cabo, o Rampage. O título do episódio seria The First Dance”, uma alusão ao documentário “The Last Dance” da ESPN sobre Michael Jordan e os Chicago Bulls.

Em 2 de agosto, Punk apareceu no Pretty Cool Ice Cream e fez um depósito para comprar 15.000 picolés. Ele e Salls Cree estavam conversando por dois anos. O custo do pedido normalmente seria de US$ 84.000, disse Salls Cree, mas ela deu a Punk um desconto.

“Quero dizer, se você preencher um cheque de 15.000 picolés, estará praticamente apostando tudo naquele momento”, disse Punk com uma risada.

No mesmo dia, a AEW esgotou o United Center em minutos. Seria a maior audiência ao vivo da empresa até o momento, embora Punk nunca tenha sido anunciado oficialmente. Os fãs compraram ingressos com base em relatos, rumores e dicas feitas na AEW, como Allin chamando “O Melhor do Mundo” para aparecer no Rampage.

Punk queria um elemento surpresa

“Eu meio que propus que poderia ser o segredo mais mal guardado do wrestling, mas ainda é um segredo”, disse Khan. “E a verdadeira essência disso é que 99% no fundo você tem certeza de que CM Punk faria seu retorno, mas é aquele 1% que duvida que talvez ele não esteja aqui, que talvez tudo isso seja uma grande encenação. E é isso que fez a reação no momento ser tão elétrica, eu acho.”

CM Punk se sentou de pernas cruzadas no meio do ringue – como na sua famosa “pipebomb” na WWE. Foto: AEW

Duas semanas antes do retorno de Punk, ele contatou Ryan Barkan, o dono da Pro Wrestling Tees, e lhe contou a novidade. A Pro Wrestling Tees é líder em mercadorias não pertencentes à WWE e tem sede em Chicago. Punk precisava de uma nova camiseta para seu grande retorno, então Barkan o colocou em contato com o artista Dave Stenken. Eles criaram um design e a AEW o aprovou rapidamente. As camisetas estariam prontas para 20 de agosto.

Barkan teve que fazer as camisas em um depósito diferente, então sua equipe não sabia o que estava acontecendo. Ele mesmo entregou o primeiro lote, que foi personalizado com uma mensagem “Eu estava lá” para todos os presentes. Enquanto isso, Salls Cree e seus nove funcionários da Pretty Cool carregavam para o freezer no andar de baixo os picolés de Punk antes de levá-los até o estádio.

O grande dia

Punk chegou cedo ao United Center e recebeu uma mensagem de seu advogado enquanto estava lá. Ele disse a Punk que ele provavelmente deveria assinar seu contrato AEW antes de aparecer na televisão, então ele fez isso cerca de 30 minutos antes do início de Rampage.

Antes do show começar, Barkan se sentou na primeira fila. Punk veio e junto dele uma das reações mais altas da história do wrestling. Em seu telefone, Barkan estava observando o tráfego do site Pro Wrestling Tees – e o site travou imediatamente quando as camisetas foram ao ar. As filas da camisa no United Center subiam pelas escadas rolantes e por todo o saguão.

O site voltou ao ar 12 horas depois e, naquele fim de semana, as camisas do retorno de CM Punk ultrapassaram o recorde de vendas de camisetas da empresa.

A camiseta clássica do Bullet Club da New Japan Pro Wrestling já detinha o recorde com 35.000 camisetas vendidas ao longo de sete anos. As novas camisetas CM Punk venderam mais do que isso em menos de três dias, mesmo com o site falhando. Barkan disse que as novas camisas Punk estão a caminho de chegar a mais de 100.000 unidades vendidas e os pedidos chegaram de lugares distantes como Malta, Malásia e Emirados Árabes Unidos.

De volta ao United Center, Punk quase chorou ao aparecer. Ele bateu palmas, abraçou os fãs e deu um mergulho em um determinado momento. Dentro do ringue, ele fez uma promo emocionante sobre sua jornada no pro wrestling, a cidade que ele ama e porque ele queria voltar na frente dos fãs de sua cidade natal. No final de seu discurso, Punk disse aos 15.316 fãs que na saída haveria picolés “por minha conta”.

Um sucesso de marketing

Na manhã seguinte, Salls Cree, de olhos arregalados, assistiu ao segmento de casa no YouTube. Até aquele ponto, ela realmente não tinha ideia para que serviam todas aqueles picolés. Seu marido a acordou e ela abriu o Instagram para 90 novas mensagens, a maioria de pessoas querendo as barras de sorvete Punk, algumas de lugares distantes como Itália e Colômbia.

Ela olhou no eBay e viu algumas pessoas vendendo embalagens daquela noite por até $800. Um fã comprou um picolé de Punk intacto no site por $500. Haverá mais 4.000 picolés sendo vendidos esta semana na NOW Arena, durante o All Out.

“Acho que não entendia muito bem o quão amado ele era por esta cidade”, disse Salls Cree, natural de Seattle. “Mas a Chicago que eu comecei a conhecer e a maneira como eles se mostraram para Punk, e como ele apareceu para os fãs. Isso foi tão Chicago para mim.”

Comunicado à lá Jordan

Durante o discurso de Punk no ar, a AEW enviou um comunicado à imprensa com uma citação de Punk simplesmente dizendo: “Estou de volta”, assim como Jordan fez quando voltou aos Bulls em 1995.

Quando ele voltou para trás da cortina, Punk viu Khan primeiro, então desceu as escadas para abraçar D’Angeli.

Após o abraço, Punk perguntou a D’Angeli: “Então, como foi?”

D’Angeli olhou para o amigo de longa data e respondeu: “Você sabe como foi.”

Mesmo dias depois, CM Punk ainda vivia na energia daquele momento de seu retorno.

“Mergulhe, cara. Apenas aproveite”, disse Punk. “Não importa o que aconteça em cinco minutos. Não importa o que aconteça em cinco semanas. O amanhã não existe. Ontem não importa. Tudo era sobre o presente. nos reservamos alguns momentos para apenas estar presentes.”

Muito obrigado à ESPN e Marc Raimondi por esta incrível matéria que pudemos traduzir na íntegra para o público brasileiro.

Airton Reis

Conheci a luta livre em 2008 e isso mudou a minha vida. Surgiu a ideia do WrestleBR em 2014 quando a WWE passou a ser ao vivo por aqui. Desde então, escrevo sobre tudo.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.


Mais postagens